[Resenha] Luar Peregrino #6 - Pelos Trilhos, de Wilson Frungilo Jr.


A história começa com o encontro entre Luar e dona Irma (a "Vidente" do livro passado), que, orientada pelos espíritos superiores, resolve mudar de atitude e tal. É sempre bom saber que, por mais que a pessoa possa um dia ter sido ruim, ela pode mudar, pode se transformar, e será perdoada. Mas isso é só um comentário meu. Enquanto isso, na fortaleza de Rufus (o "do mal"), ele tem um plano diabólico: raptar a namoradinha estranha de Segadas, que, pelo que entendi, é um cara muito do mal e muito forte. De fato, eles a raptam... Mas a história ainda não se concluiu. Luar, durante o sono, se desprende do corpo "material" e se encontra com Cláudia e Pai Francisco, que lhe conta uma história, e quando acorda, resolve escrevê-la - e todos ficam pasmos, tipo "Oh meu pai, Luar, como escrevestes uma história tão bela em 20 minutos?!", e ele próprio não sabe explicar. Fundam um centro espírita com o nome mais mixuruca do mundo! na cidade, mas, logo depois da primeira palestra de Luar, ele foge - pelos trilhos (e é daí que vem o nome... Mas achei meio sem noção: quero dizer, os "trilhos" só entram nas últimas 15 páginas!). As amigas de Luar, Helena e Marta (bem, Helena quer ser mais que isso...) estão na Eurpoa quando descobrem que ele sofreu o tal acidente. Aliás, tem um fala da Marta para Helena, muito f*da: "É, você deveria ter aberto seu coração com ele. Agora, ele nem sabe da sua existência!" que cruel! haha' Acho que já dei spoilers demais... Foi mal se estraguei o livro pra alguém! ;( De qualquer forma, eu ainda não tenho ideia de como acabará a história de Luar... E isso me instiga a ler os outros volumes! *-*

Classificação:
Capa: 5 estrelas
História: 4 estrelas
Narrativa: 4 estrelas
Média: 4.3 Estrelas


Autor: Wilson Frungilo Junior
Editora: Instituto De Difusão Espírita
Ano: 2001 (Brasil)
Págs: 125
Título Original: -
Coleção: Luar Peregrino, #6


Um comentário:

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.