[Resenha] Wings, de Aprilynne Pike (book tour)


Comentando nesse post, você ganha uma chance extra na Promoção de "Anna e o beijo francês"! (http://bit.ly/ivhLMS)

Wings foi o meu primeiro livro de fadas mais adolescente (porque até então eu só tinha lido Sonho de Uma noite de Verão - Shakespeare - e O segredo das fadas - Emily Rodda -, sendo que o segundo era infanto-juvenil, mas eu amo do mesmo jeito e tenho a coleção completa!), isto é, porque o outro "próximo" que eu li que era mais ou menos próximas de fadas foi Instintos Cruéis e era sobre pixies (que na verdade não tem nada a ver com elas, mas enfim). E eu gostei muito da experiência, no meu conceito doido de seres sobrenaturais que valem a pena ler histórias com, o ranking está assim:

1. Fadas
2. Sereias
3. Deuses
4. Vampiros
5. Anjos
6. Lobisomens
7. Demônios
(espiões e ninjas não são sobrenaturais, por isso não estão aí - esses foram os que lembrei)

Então minha expectativa com Wings era alta, porque fadas são os melhores seres mitológicos para se contar, é tão grande e abrangente o assunto... até Shakespeare se encantou com elas! Mas enfim, após esses parágrafos de enrolação, vou começar a contar a história do livro: Laurel é uma menina que nunca estudou fora de casa, sua mãe lhe educou desde sempre, mas quando mudam de cidade, ela acaba tendo que ir para a escola... à primeira vista, ela é bem comum - na verdade eu a achei um pouquinho perfeita demais, mas enfim -, mas conforme você lê, vai vendo que ela tem hábitos bem estranhos: nunca sente frio, nem fome, só come vegetais e frutas, etc. Ela sempre soube que as pessoas achavam isso estranho, mas nunca ligou, até começar a estudar junto com todos aqueles adolescentes que julgam você pela roupa que você usa. 

No primeiro dia de aula, um menino, David, dá em cima dela fala com ela e faz amizade, sendo que os dois passam o almoço juntos, conversando e se conhecendo melhor. Mesmo assim, Laurel não consegue ficar num ambiente sufocado como a escola por tanto tempo e acaba detestando-a do mesmo jeito, reclamando para a mãe assim que volta. Mas, com o passar do tempo, ela fica amiga de vários outros, que acabam entendendo seu jeito, sendo que ficou próxima mais de David e Chelsea

Tudo ia bem, ela ia dando mole pro David, ele pra ela, blablablá, até que começam surgir pétalas nela! PÉTALAS! Sem saber o que fazer, conta tudo para David - que é meio que um cara fofo, geek e popular ao mesmo tempo -, que não acredita, até ver por si mesmo. Os dois não sabem ao certo o que fazer em relação a isso, até que Laurel volta para sua antiga casa, que seus pais querem vender, e quando está caminhando no bosque atrás da mesma, encontra um menino pra lá de esquisito, com cabelos de mexas verdes, descalço e com um jeito diferente, chamado Tamani (vou relevar o quanto achei esquisito esse nome, porque ele é todo "reino das fadas"), que lhe fala que é igual a ela, que as pétalas vão sumir. Mas Laurel, claro, não acredita e sai correndo.

Nesse meio-tempo, seus pais arranjam um comprador para a casa antiga, que Laurel detesta e acha que é "do mal". E quando as coisas que Tamani disse que ocorreriam acontecem de fato, ela não tem outra escolha a não ser voltar a vê-lo, mesmo que seu estômago deteste isso (argh). É quando as coisas começam a ficar fora do controle e Laurel se vê no meio de uma luta de fadas e trolls (trolls. juro, eu ficava pensando em coisas como "ela me trollou" sempre que via essa palavra). Além de, claro, um triângulo amoroso básico.

MEU DEUS, meu conceito sobre fadas ficou totalmente mudado depois de ler esse livro. Pra começar - eu não vou contar muitas coisas, porque o legal é você se surpreender com a imaginação da autora -, fadas são como plantas muito, muito mais desenvolvidas. E elas tem um controle muito maior sobre nós, reles humanos, do que se pensaria. E é muito legal essa visão! Tem um capítulo inteiro da Laurel e o Tamani conversando, e é um dos meus favoritos, porque não fica só na explicação, tem umas tiradas legais e tal. 

A Aprilynne fez um bom trabalho, eu tinha boas expectativas e elas foram superadas, sim. Só que eu me decepcionei com a protagonista como sempre. A Laurel, na minha opinião, é meio perfeita demais. E sei lá, as coisas parecem tão maravilhosas e lindas para ela. Eu não conseguia engoli-la direito até a metade do livro, quando comecei a achar que ela poderia ser mais legal. David é um personagem fofinho e na hora em que a Laurel e a Chelsea ficaram babando nele sem camisa, gente... só deu pra imaginar *O*. E ele é sempre a força por trás da Laurel, quando ela está pra baixo, recorre nele. Tamani é praticamente o oposto, ele é atrevido, provocador, faz com que as mais diferentes emoções passem por Laurel. E eu gostei dos dois, ainda não tenho um favorito, mas estou tendendo mais para o segundo (cabelos verdes! hahaha). 

E o final, eu não gostei muito. Nem foi muito do final "geral", sim da cena final. Vou contar mas leia por sua conta e risco (apesar que não é nada fundamental na história, é mais se você quiser só saber a última cena ao ler). Aliás, o inglês é fácil, só é um pouco mais complicado (bem pouco) alguns vocábulos, nada que um dicionário não resolva. Comentando sobre a narrativa, ela é em terceira pessoa e no passado, é bem ágil, apesar da Laurel ser meio lerda. Recomendado! Só por ser sobre fadas, vale a pena!
*SPOILER* Eu achei que a Laurel tem uma tendência de piriguete desde o meio do livro, quando o Tamani aparece, mas fiquei muito p. da vida no final, porque é assim: ela salva o mundo e tal e aproveita e dá uns pegas no David. Daí ela vai lá na floresta falar com o Tamani e DÁ UNS PEGAS NELE TAMBÉM. Tipo, foram uns três dias entre um e o outro, entende? Sério, isso me irritou e me lembrou a Zoey de HoN. Só espero que a Laurel seja mais que a vampira safada. *FIM*

Nota geral: 9,0 (ou 4 estrelas)


Autor(a): Aprilynne Pike
Editora: Harper Teen (selo da Harper Collins)
Ano: 2009 (Estados Unidos) / não lançado no Brasil
Págs: 294
Nome original: -
Coleção: Wings, #1






Wings

5 comentários:

  1. Nunca li nenhum livro sobre fadas! A unica coisa que li e que citava BEM por cima fadas, foi Cidade dos Ossos que na verdade, mas acho que nem conta! ahauhauaha Enfim, gostei da história! *-* É diferente! É sempre valido ler algo que não seja sobre vampiros ou anjos! aauhauaha Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não tive nenhuma experiência com fadas, tirando aqueles livros que elas aparecem como coadjuvante haha (:
    Beem logo que eu terminei de ler eu já me senti team Tamani. Por quê? Não sei, mas adoro esses caras que são meio estranhos..

    =*

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Eu só li um livro sobre fadas, mas bem diferente deste (A Fada Que Tinha Ideias - a Clara Luz é tão fofinha!). De qualquer forma, eu creio que não leria este livro. Sobrenaturais não me agradam muito, principalmente estes com aura de perfeição.
    Gostei da sua análise! Conseguiu permear a crítica e o resumo. Muito bom!

    Abraços!

    Ana Carolina Nonato
    Seis Milênios

    ResponderExcluir
  4. Bem interessante e diferente!
    =)

    EU adoro um sobrenatural!
    =)

    Quando será que em pro Brasil??
    ^^

    Bjinhos
    Psiu!
    Silêncio Que Eu To Lendo

    ResponderExcluir
  5. Eu acho essa capa perfeita *-*
    Fadas <3 Eu amo tudo que envolve fairytale mas fadas são fadas hehehe
    Não li a cena final que vc insitiu em contar hahaha mas já vi que vc não gostou ):
    bjs,
    tudo por um livro.

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.