[Resenha] Linhas, de Sophia Bennett


Comentando nesse post, você ganha uma chance extra na Promoção de "Anna e o beijo francês"! (http://bit.ly/ivhLMS)

Linhas poderia ser como qualquer livro de YA que temos por aí, que não deixa de ser "fofo", mas também é uma leitura bem leve. E Linhas é leve. É fofo. Mas não fica só nisso. Ele tem uma história bem mais profunda e interessante do que eu jamais poderia imaginar.

Somos apresentadas a três melhores amigas, Nonie (viciada em modas, mas não sabe desenhar - amiga, toca aqui o/), Edie (nerd total, mas que tem bom coração... me fez lembrar a Spencer, de Pretty Little Liars, só que com menos segredos) e Jenny (a que menos gostei, mas é uma boa personagem. No começo, eu a achava meio fútil demais, mas ela é, na verdade, uma pessoa muito boa), cada uma com suas características bem marcantes, mas que nem por isso deixam isso as distanciarem. Suas vidas são bem diferentes umas das outras, Edie passa o tempo todo estudando e se veste bem sem-graça (segundo Nonie, estaria perfeita pra tomar um chá com a Rainha), Nonie tem uma mãe ex-modelo (ri muito com "São as bochechas, querida", tipo ÃHN?) e passa o tempo livre lendo revistas e passeando e Jenny é atriz, acabando de terminar de fazer seu filme com o casal-mais-quente-de-Hollywood e o garoto que todas as meninas amam.

Tudo ia normal e sereno, até que as três são "apresentadas" a uma aluna de Edie: Crow, uma menina que se veste completamente diferente e chama atenção por onde passa. Depois de ir a uma feirinha da escola da mesma, Nonie descobre como ela (Crow, não Nonie) desenha maravilhosamente bem e é assim que as coisas começam a se desenrolar. E você achou que ficou por aí, que as quatro viveram felizes para sempre, né? Só que Crow não era uma típica garota, ela era uma refugiada de Uganda que tinha vindo para Inglaterra para viver com a tia, para ganhar uma educação decente. Seus pais e sua pequena irmã ficaram todos lá em Uganda e, tomando consciência disso, as três BFFs resolvem agir - tudo isso ao mesmo tempo que Crow é convidada para a London Fashion Week (!!!).

"- (...) Além disso, estou apaixonado.
Engasgo. Essa foi rápida.
- Apaixonada por quem? Não é a Skye, é?
Ele me olha com pena.
- (...) Tenho retratos dela em todo o meu quarto, boboca.
- Ah não, você está falando de Svetlana!
- E por que não?
(...) - Ela é uma supermodelo. E o pai dele é bilionário.
- (...) Crow acha uma ótima ideia.
- Crow?
- (...) expliquei que Svetlana era minha futura namorada. Ela achou ótimo. Naturalmente, não me considera tão repugnante quanto algumas mulheres da minha família.
- Ela tem 12 anos. Provavelmente acharia a Barbie uma ótima candidata." (pág 67) 
*desculpem as várias reticências, é que senão seria um quote enorme!

A leitura é muito rápida, e temos a visão desses dois mundos (Moda x Refugiados de Uganda) por Nonie - talvez por isso eu tenha me identificado mais com ela -, em primeira pessoa no presente ela vai contando sobre sua vida, seus problemas, como ela tenta ajudar Crow... etc. O livro é curto, mas acontecem várias coisas nele que se você ver o começo e ver o final, verá como os personagens amadurecem, crescem, aprendem a tomar decisões e a enfrentar problemas. Mas a grande sacada da Sophia foi não deixar esse livro ser apenas um "livro leve e feliz" e sim um em que nós podemos refletir sobre, mesmo que nós estejamos sentados, esperando o mundo mudar, tem muita gente aí precisando de ajuda e longe da família por causa de guerras, fome, etc. E nós podemos esbarrar com elas numa esquina, num café, numa livraria... Isso torna o livro especial.

As meninas podem até ser um pouco fúteis (gente, elas tem 14, 15 anos. Quem não é um pouco fanática por celebridades nessa idade? Até eu já fui - um pouquinho), mas quando veem que podem fazer algo pra mudar a história, elas vão e enfrentam. Isso faz tudo melhor. Eu acabei o livro me sentindo bem, acreditando que poderia mudar o mundo (mesmo que um pouquinho de cada vez) e que não é porque nós estamos acomodados que tudo está rosa. Pra quem pensou que o livro é só drama, ele tem bastante partes engraçadas, mas em si tem um toque muito bonito e uma visão muito legal de um mundo que talvez nós nem saibamos que exista.

Ah, minha resenha ficou enorme e ficou mais ou menos. Mas finalizando, o livro é espetacular! Ele é fofo, ele é alegre e ele é reflexivo. Recomendado!

Nota geral: 10,0 (ou 5 estrelas)


Autor(a): Sophia Bennet
Editora: Intrínseca
Ano: 2009 (Estados Unidos) / 2010 (Brasil)
Págs: 248
Nome original: Threads
Coleção: Linhas, #1

5 comentários:

  1. Esse é um livro que eu já queria ter lido há muito tempo, mas só procrastino :S Adorei a resenha e acho que vou adorar (adoro ver/ler sobre pessoas viciadas em moda!)! E o diferencial de ter uma refugiada da Uganda deve ser incrível =D

    ResponderExcluir
  2. Nossa Isa nunca imaginei q esse livro fosse mais "profundo", gostei bastante da sinopse, o livro parece ser bem difertido ao mesmo tempo q nos faz pensar. Fiquei super curiosa para lê-lo.
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  3. Desde vontade de ler esse livro desde que ele lançou e até hoje não comprei. Vergonhoso!
    A capa é linda e a história parece ser uma graça!

    Beijos xx

    ResponderExcluir
  4. Essa capa ao vivo é linda *-* Logo que lançou vi que era bem leve a estória, mas achei bem legal isso de a autora implementar falando que a garota é uma refugiada. Parece que 'fofo' define esse livro (:

    =*

    ResponderExcluir
  5. A capa desse Livro é Linda!
    Parece ser uma história Legal!
    Há tempo que estou querendo ler esse Livro!

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.