[Resenha] Segredos & Mentiras, de Cheryl St. John


Segredos & Mentiras não parece, exatamente, um livro de banca. Sim, tem aquelas cenas "hot" e de paixão "ardente", mas não é, nem de longe, um daqueles que chegam a ser ridículos, por só terem isso. Na verdade, é bem razoável. Mas, como foi meu primeiro - e até agora único \O/, só por enquanto - livro de banca, não sou uma expert no assunto. Mas começar com esse livro daria uma boa vontade de ler outros desse estilo, com qualidade. Mas vamos à história: Sarah Thornton é uma jovem grávida, que embarca num trem, já que foi expulso de casa por seu cruel - sim, cruel, de verdade - pai, e é parada na entrada, pois perde sua passagem. 

Steven Halliday, no entanto, finge ser seu esposo e a salva de ser expulsa de mais um lugar. Ele está junto com a sua verdadeira esposa, Claire, que é uma atriz - só eu que acho que naquela época as atrizes/atores eram tratados como pessoas "da vida"? - e ambos estão indo conhecer a família de Steven (sua mãe e seu irmão mais velho). Mas um trágico acidente termina com a vida deles, e, num incidente do destino, Sarah é confundida com Claire. Quando acorda, no hospital, descobre que seu filho já nasceu e que é tratada como uma Halliday, afinal, pensam que é Claire. E é lá mesmo que conhece Nicholas, o cara que a atrae desde a primeira que trocam um olhar.

Ela não tem coragem de contar a verdade, já pensando que será expulso e seu filho - pobrezinho!! - será deixado à toa, sem comida nem uma mãe com condições reais de cuidar dele.

Ela conhece a mãe de Steven e Nicholas, Leda, uma mulher muito generosa e, novamente, dá pra trás. As coisas só ficam piores e mais enroladas, como sempre acontece quando você conta uma mentira e tem que contar 750 outras pra cobrir aquela. Nesse rolo gigantesco, ela acaba tendo que contar seu segredinho à Celia, mãe da verdadeira Claire, que chega à casa dos Halliday. E ela acaba marcando cada um que a conhece, tornando a despedida mais e mais difícil.

Eu até que gostei do livro. Sarah, apesar de todas as burradas que comete, é uma boa personagem e até gostei (um pouco) dela. Eu não fui muito com a cara dos falecidos, sinceramente, a Claire, na minha opinião, era meio bitch, o Steven merecia coisa melhor - apesar desse aí também ter sido meio burrinho na vida. Mas também foi generoso, claro ;D - na minha opinião. Nicholas eu achei meio... Sei lá, chatinho, muito controlador, cruel às vezes com Sarah/Claire. E quando eles se pegaram, simplesmente achei que foi bem sacanagem dele fazer aquilo com ela (tipo, eles tiraram a roupa e não fizeram nada, ele falou simplesmente: "Oh não, você é a viúva do meu irmão, BLAH BLAH BLAH). Leda, no entanto, foi uma personagem bem legal, gostei dela desde o começo, é daquelas mães que fariam tudo por seus filhos :D. Celia é um porre no começo, o que é até engraçado, pois sempre está bêbada e tal. No final, ela fica melhor, com mais consciência, mais sóbria.

A história em si não tem nada de mais, mas é bonitinha. Faz você ver até onde as pessoas vão pelo amor e, claro, que você o encontra nos momentos e lugares mais inesperados.

Personagens favoritos: Sarah e Leda.

Classificação:
Capa e design gráfico: 8,5
História: 8,5
Narrativa: 8,0
Personagens: 8,5
Final: 7,5
Nota geral: 8,2

Playlist: aquelas de época, bem à la... Bem, aqueles filmes de época :D hehehe.

Sem quotes favoritos ;*

Autor(a): Cheryl St. John
Editora: Nova Cultural
Ano: ? (original) / 1998 (Brasil)
Págs: 319
Nome original: The mistaken widow (como muitos outros livros de banca, este é um exemplo em que o título traduzido é completamente diferente do original. Significaria "A viúva errada").
Coleção: "Romances Nova Cultural"

Um comentário:

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.