[Resenha] A Escolha, de Nicholas Sparks


Nicholas Sparks não escreve livros do meu estilo favorito, já que eu não gosto de romances melosos e cheios de dramas, porém uma coisa que eu sempre concordei é que ele sabe contar um romance comum como ninguém. E esse, em minha opinião, é o motivo de ele fazer tanto sucesso pelo mundo todo.

Em A escolha, temos duas pessoas completamente diferentes: Gabby, uma moça certinha e Travis, um cara aventureiro e que adora uma adrenalina. Com personalidades tão diferentes e sendo vizinhos, era completamente provável que o primeiro encontro entre os dois não fosse amistoso, principalmente da parte de Gabby. Porém, no dia em que os dois resolvem se der uma segunda chance, a opinião da moça vai mudando sobre Travis – em parte por causa do amor que ele demonstra por animais, seu cachorro Moby em particular. Nem tenho que comentar que me apaixonei pelo Moby, né? Ainda mais por ser um boxer, a mesma raça do meu próprio cachorro.

“Histórias são únicas, assim como as pessoas que as contam, e as melhores histórias são aquelas cujo final é uma surpresa.” (pág. 7)

E, com o tempo, os dois se apaixonam, apesar de serem tão diferentes. A história se passa em dois tempos completamente distintos, primeiro há vários anos, quando eles se conhecem pela primeira vez e no presente, mostrando como as coisas mudaram, porque, nos dias atuais, Gabrielle está em coma e Travis tem de cuidar das duas filhas sozinho, sem a companhia da esposa. Isso sem contar que ele vive se culpando, pensando em como as coisas poderiam ter sido diferentes se ele tivesse sido mais atencioso, mais presente... A culpa que todos nós temos quando vemos algo que é precioso para nós – mas que não damos muito valor – correr perigo e percebemos como não podemos ficar sem isso (ou esse alguém, nesse caso).

“Mas as coisas mudam. As pessoas mudam. A mudança é uma das leis inevitáveis da natureza, cobrando tributos sobre a vida das pessoas. Cometem-se erros, arrependimentos surgem, e tudo o que havia sobrado eram repercussões que tornavam algo tão simples como se levantar da cama uma coisa quase extenuante.” (pág. 8 e 9)

Eu gostei da história ser contada desse jeito. O Prólogo me deixou bem curiosa pra saber o que de fato tinha acontecido para a situação ter ficado daquele jeito. No entanto, também achei bem contada a história do relacionamento dos dois. Fez com que fôssemos nos “aproximando” dos personagens, criando conexões, torcendo para eles. Aliás, adorei a irmã do Travis! Uma figura, de verdade! Não gostei muito da finalização da história do passado, porque deixou algumas coisas más explicadas, mas isso não é algo “mortal” para a história em si.

“- Mas eu sou uma pessoa diferente hoje, em relação a quem eu era naquela época. Assim como eu era uma pessoa diferente no final da viagem em relação a quem eu era no começo. E serei uma pessoa diferente amanhã em relação a hoje. E isso significa que nunca poderei repetir aquela viagem. Mesmo se eu fosse para os mesmos lugares e encontrasse as mesmas pessoas, não seria a mesma coisa. A minha experiência não será a mesma. Para mim, é isso que as viagens representam. Conhecer pessoas, aprender não somente a apreciar uma cultura diferente, mas a realmente desfrutar dessa cultura como se eu fosse uma pessoa daquele lugar, seguindo qualquer impulso que eu sinta. Assim, como eu poderia recomendar uma viagem para alguém se eu nem sei o que devo esperar? Meu conselho seria anotar nomes de lugares em pedaços de papel, embaralhá-los e escolher cinco ao acaso. Depois, simplesmente... vá até lá e veja o que acontece. Se você tiver a mentalidade certa, não importa onde esteja ou quanto dinheiro tem com você. Vai ser algo de você irá se lembrar para sempre.” (pág. 119)

Mas, num geral, eu gostei bastante do livro. Eu acabei torcendo pelo casal protagonista, bem mais do que eu esperava. Além disso, eu até cheguei a me emocionar na parte final do livro, o que devia ser o grande objetivo do Sparks. Aliás, eu esperava um final bem mais trágico – e a cara do autor – mas acabei me surpreendendo, de um jeito positivo. É como eu disse: uma história de pessoas comuns, contada de uma forma encantadora.

Pode não ser inovador, mas pra quem curte um bom romance com uma escrita leve e rápida, é uma boa pedida. Se vocês gostarem de cachorros como eu, então, vão amar essa “cereja no topo do sorvete” que é a presença deles no livro.


(3.5 estrelas - 8,0)

Autor(a): Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Ano: 2012 (Brasil) - 2007 (original)
Páginas: 303 (Brasil) - 272 (original)
Nome original: The Choice
Coleção: -



Link da postagem (AQUI!)

7 comentários:

  1. Sou culpada, tenho esse livro a mais de um ano e ainda não li. E confesso que o motivo de eu ter empurrado ele pro final da fila foi a fama do autor de finais trágicos.
    Eu não sabia que tinha cachorro no livro, adoro-os *-*
    Sua resenha me deixou animada, vou tentar encaixar o livro nas minhas leituras desse mês :D

    ResponderExcluir
  2. Cristiane Oliveira4 de março de 2013 11:00

    Gostei da história, mas deve ser um dramalhão daqueles... Tem que estar preparado pra ler.... rsrs

    ResponderExcluir
  3. Adoro o Nicholas e todos os livros deles, são sempre bem românticos e A Escolha não é diferente.

    ResponderExcluir
  4. Amanda Naira arrais5 de março de 2013 22:14

    Os livros do Nick são demais viu..
    muito bons.. apesar dele arrancar varias e varias lagrimas.. de vez em quando.

    ResponderExcluir
  5. Thaynara ribeiro comentou:

    "Já quase comprei mas no.fim desisti por outro livro.
    Não me empolguei muito com o livro, embora pareça bom. Ainda.traumatizada com Querido John."


    (O Disqus não registrou o comentário)

    ResponderExcluir
  6. Eu não curto muito os livros dele também, odeio livros que tem esses romances com uma tragédia no final. Acho que desse tipo, só gostei mesmo é de A Culpa é das Estrelas, um dos meus favoritos inclusive.
    Esse livro não me interessou, embora tenha uma história legal, meio clichê, mas interessante. Se eu não tivesse nada para ler, eu leria esse livro KK
    Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  7. Nunca li nada do NS, mas a maioria das opiniões que leio sobre os livros dele, são
    positivas. A Escolha parece ter um enredo, muito bom, então se surgir uma
    oportunidade, eu lerei com certeza.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.