[Resenha] Orgulho e Preconceito, de Jane Austen


Jane Austen é uma das autoras clássicas que mais ouço elogios, das que eu conheço. Eu já tinha lido e ouvido milhares de pessoas tecendo apenas coisas boas sobre ela – incluindo minha própria irmã. Então, num dia desses, com a minha mãe constantemente me dizendo pra ler algo mais “clássico”, acabei pegando Orgulho e Preconceito, que estava na minha estante há séculos, mas por falta de tempo e talvez, um pouco de receio, nunca tinha lido.

E não me arrependi! A história conta sobre a vida da sociedade do século XVIII, mas com um tom irônico e muito divertido. O foco é Elizabeth Bennet, uma jovem que possui outras quatro irmãs e com pais bem tradicionais, por assim dizer, principalmente a mãe, que está sempre à procura de um “bom partido” para suas filhas. Ela é diferente do que as moças da sua época – não mede as palavras, é honesta e direta e não tenta fingir ser algo que não é para agradar quaisquer pessoas. Há também outra história, meio que “secundária”, mas muito ligada com a da própria Lizzy, que é com sua irmã, Jane.

E no meio de uma sociedade bem, well, tradicional, onde a mulher é praticamente feita para cozinhar, cuidar dos filhos e das casas e fofocar com as amigas, nós podemos ver algumas personagens que se diferem desse “estereótipos” e ao mesmo tempo, vemos pessoas que são exatamente assim (vide a mãe das irmãs Bennet, que por melhores que sejam suas intenções, é exatamente isso).

Eu amei a narrativa da Jane! Já tinha ouvido muitos elogios nesse ponto, várias pessoas me dizem que ela sabia contar uma história “simples” como ninguém e, sem dúvida, ela sabe. Os personagens criados também são um caso à parte – cada um tem sua característica e acabamos nos afeiçoando em especial com alguns. Eu, por exemplo, adorei a Lizzy! Se eu vivesse naquela época, tenho quase certeza que acabaria sendo como ela. Sua irmã, Jane, é de uma bondade enorme, com um coração gigante e, sem dúvida, uma das que mais mereciam ter uma vida longa e muito feliz; a mãe das duas é, desculpe-me, mas extremamente fútil – e tenho certeza que Jane, a autora, fez isso de propósito. Ela pegou algo comum na época dela, aumentou um pouco e pôs um tom irônico, criando assim a Mrs. Bennet. O pai das moças também é mais ou menos o que se imagina que seria na época – é um bom pai, inteligente, sociável, mas não sabe lidar direito com as filhas em tais pontos (acho que isso acontece até hoje) e acaba deixando o cuidado com as filhas com a esposa.

E, claro, temos que falar dos homens desse romance – ou estaria faltando algo! Eu esperava que o Mr. Darcy fosse um cara incrível e, sem dúvida, ele tem todo o seu charme. Suas cenas, principalmente com Lizzy, são divertidas. Digo que as melhores são com ela porque os dois são parecidos de certa forma – ambos irônicos e sem grandes “papas na língua”. Eu sempre ficava sorrindo nessas partes, porque sabe aquele casal que, mesmo brigando, você pode ver que um se atrai pelo outro? Então, eu amo esses casais, hahaha. Há também o pretendente de Jane, Mr. Bingley, é outro homem que provavelmente está se extinguindo do planeta, mas num sentido diferente de Mr. Darcy. Os dois são melhores amigos, mas completamente diferentes – Mr. Bingley é delicado, gentil e não possui a aparente áurea de arrogância que Mr. Darcy deixa.

O livro, sem dúvida, é uma ótima visão do cotidiano daquela época. Eu li a versão da Martin Claret, mesmo sabendo que essa não é das melhores, eu li o livro rapidamente, porque, quando você começa a ler, você acaba querendo sabendo aonde vai dar – isso é o “clique” que um bom livro tem que possuir, te deixar curiosa.

Eu recomendo, demais! Mesmo que você não seja um grande fã de clássicos, ou que não se interesse por coisas “de época”, vale à pena ler algo da Jane Austen – ela tem um dom para a escrita muito raro e você tem que dar uma chance para ela te mostrar isso. Se você gosta de personagens encantadores, cenas divertidas e irônicas e uma crítica à sociedade, então, aí sim, irá adorar o livro!

+ Favorito!
(5 estrelas - 10,0)


Autor(a): Jane Austen
Editora: Martin Claret
Ano: 2009 (Brasil) - 1797 (original)
Páginas: 316 (Brasil)
Nome original: Pride and Prejudice
Coleção: -

4 comentários:

  1. Omg, amo Jane Austen!

    Confesso que nunca li um de seus livros, e estou louca para ler orgulho e preconceito. Já assiti um bilhão de vezes "orgulho e preconceito" e "razão e sensibilidade", ambos ótimos que fazem a gente querer pegar logo o livro para ler ;)

    Bjs, Laila.

    www.gotasdeframboesa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi!!!
    Lembra de mim, o Vinícius do Jovem, Tolo, Feliz?
    Vim aqui avisar que o blog mudou de nome e link.
    Agora atendemos por Livros e Rabiscos e somos acessados pelo endereço www.livroserabiscos.com
    Espero que continue acompanhando as novidades e visitando!!
    Beijos...

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante da sua resenha! Nunca li nada da Jane Austen, mas é uma das autoras que está na minha lista de must-read. Ao ler seus comentários, fiquei ainda mais encorajada a fazê-lo!

    bj
    escrevendoloucamente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Estou doida pra ler os livros da Jane...Eu vi o filme Emma que me deixou mais curiosa pra ler a obra dessa autora.

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.